DIVERSIDADE SEXUAL E CONSTELAÇÃO FAMILIAR

A Constelação Familiar não é um método baseado em moralismos.

Esta abordagem de terapia breve, baseada na visão sistêmica da vida, se dá por satisfeita em focalizar o fenômeno e não em criar explicações ou teorias para as coisas ou acontecimentos. É um método que olha para o fato em si. Só isso.

A sociedade vivencia mudanças o tempo todo e essa dinâmica exige da pessoa que está disposta a evoluir conscientemente uma postura equilibrada diante de tudo o que acontece.
A diversidade sexual é um assunto que está deixando de ser tabu e passa a ser absolutamente necessário ser abordado no interior das famílias porque é daí que emergem grandes desafios nesse tema da diversidade e da orientação sexual.

Para a Constelação Familiar é muito clara a percepção de que toda pessoa tem o direito de pertencer ao grupo no qual nasceu, seja qual for sua orientação sexual. Isso é incondicional e inescapável.
Toda vez que a família nega o direito de pertencer a quem tem orientação sexual diferente do padrão imposto pelo clã, gera muito sofrimento no que é excluído e nos demais membros, mesmo que não falem sobre isso ou finjam nada saber. O sistema familiar tem uma forma refinada de resolver isso, porém, os familiares demoram a perceber sua injustiça ou se negam a olhar para essa realidade.

Esse pertencimento traz consequências para o clã familiar quando este exclui ou faz de conta que nunca existiu ou não existe integrante cuja orientação sexual foi ou é diferente do padrão vigente no grupo ou na sociedade.
Discussões acaloradas estão acontecendo acerca da diversidade sexual e, certamente, a Constelação Familiar, deve e pode trazer uma contribuição na linha da inclusão e dos efeitos positivos tanto no grupo que inclui quanto na pessoa que se sente incluída.

Grupos familiares que excluem integrantes em função da orientação sexual sofrem pesadas consequências e isso só é resolvido (resolvido aqui significa dar um lugar a quem foi ignorado ou excluído) quando pelo menos um componente olha com profundo amor para os excluídos e reconhecem que eles tem seus lugares nas famílias.

A Constelação Familiar serve à vida e a vida não exclui nenhum ser que existe. Cada um tem seu lugar no clã familiar, com a concordância ou não dos demais componentes, é um direito arcaico, irrevogável e que deve ser praticado com amor, o amor que inclui e ama incondicionalmente. (Aluísio Alves: Psicnalista, Constelador Familiar, Terapeuta Sistêmico)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *