FAZER O QUE NÃO DESEJA E O QUE NÃO GOSTARIA, REPETIDAMENTE: O QUE É ISSO?

Escuto nos atendimentos individuais e em grupo muitas pessoas que dizem frustradas com a própria vida porque percebem que fazem repetidamente o que não desejam e o que não gostariam de fazer.

O que significa isso? É possível quebrar esse ciclo?

Ao colocar essas questões numa Constelação Sistêmica ou Familiar, fica muito claro que boa parte das causas para tais repetições vem do grupo familiar de origem. Mas, isso, só por si, não resolve e nem liberta a pessoa. Ver e entender as causas não é o suficiente para curar uma alma que está presa numa força quem vem da consciência de clã, portanto, dos seus ancestrais. Digo boa parte porque existe uma parcela de responsabilidade da própria pessoa que busca a solução, porém, é pequena. Isso quer dizer que a pessoa pode abandonar a culpa e olhar de outra forma para o estranho comportamento de fazer o que não deseja e o que não gostaria de fazer e, que mesmo tendo consciência disso, não consegue avançar na vida.

Às vezes, isso tem consequências graves na vida profissional, outras vezes, na saúde do corpo e da mente e, com muita frequência também nas relações amorosas. Em quaisquer dessas situações, é preciso ter uma forma adequada de olhar e de se colocar pronto para receber com humildade e gratidão a cura para tais emaranhamentos.

Quantos pais não gostariam de tratar os filhos da forma como o fazem, mas não conseguem mudar?
Quanta gente gostaria de administrar o tempo para fazer o que precisa de verdade, mas veem, ao final de um dia, de um mês, de um ano, tudo se esvair e nada conseguir fazer?

Quantos líderes de equipes nas empresas e nos esportes sabem o que deveriam fazer para ter resultados mais positivos, porém, ficam presos, condicionados a usarem as mesmas táticas e formas de administrar?

Quantos seres humanos, neste exato momento, estão presos a relacionamentos amorosos tóxicos, destrutivos e sem prazer, mas continuam sofrendo como se isso fosse um destino incontornável?

Quantas vidas são vividas de forma pobre, sem beleza, entusiasmo, prosperidade e alegria porque são apenas uma continuidade de infelicidades que vem de tão distante no fluxo do grupo familiar de origem?

Para tudo isso existe cura e existem boas soluções, mas, a condição essencial é que o interessado abra a mente e a alma para receber a força da vida, sem ficar perambulando pelas avenidas da dúvida ou das largas estradas dos pensamentos negativos que o afastam do seu grandioso destino de fazer o que alimenta a própria alegria de Ser. (Aluísio Alves: Doutor em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico e Constelador Familiar)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *