CORAGEM PARA SE SENTIR MERECEDOR DE AMOR E PERDÃO

Talvez fosse desnecessário dizer que você precisa se amar e perdoar. Talvez fosse desnecessário dizer que, sem abandonar o sentimento de culpa que o dilacera e dar-se novas oportunidades, sua vida fica muito estreita e sem perspectivas. Mas, mesmo correndo o risco de falar algo que não seja preciso, ousarei enfrentar a repetição que vem há milênios, através de diferentes tradições e que, lamentavelmente, tem sido pouco colocada em prática, por também, tantos adoecimentos…desnecessários, também!

Coragem é fazer com medo! É preciso uma dose de atrevimento para se ver como merecedor de amor e perdão da sua própria parte. Como agente de cura, tenho me deparado com muita gente que sofre desnecessariamente (porque seus sofrimentos não vão mudar o mundo, nem as pessoas e nem tornará a vida mais fácil), e isso me toca fortemente o coração porque sou apenas um ser humano, sujeito a todas as precariedades, desafios e dificuldades que recaem sobre todos os meus semelhantes.

A origem mais comum dos adoecimentos da alma está caracterizada pelo boicote que a pessoa faz consigo mesma no que tange a se permitir receber amor e se perdoar. Afinal, quem é que nunca errou o alvo? Quem nunca decepcionou pessoas? Quem nunca colocou para fora sua imperfeição? Todos nós somos projetos em andamento, não estamos prontos. Temos uma sede infinita de amor mas, de forma estranha, nos privamos exatamente da amorosidade, pior: somos os primeiros a nos odiar. Temos uma necessidade gigantesca do perdão que cura e nos coloca em uma nova trilha, mas, outra vez e mais uma vez, lá estamos nós a nos negar o perdão e nos impedir que tenhamos novas oportunidades.

Por nos faltar a coragem de sentir que somos merecedores de amor e perdão, secamos nossa alma e nosso corpo acompanha. Nosso corpo fica demasiadamente frio como se estivesse morto, rígido como é próprio da morte (porque morte é rigidez e vida é flexibilidade), porque nosso mundo interno está povoado de mágoas (águas fétidas e contaminadas em que a vida também se faz presente de modo precário), de ressentimentos, de cobranças e, principalmente, de raiva de nós próprios…

A cura só vem para quem se abre para recebê-la. Dar-se outras chances é dizer na prática que está aberto para receber as boas coisas que a vida tem; é demonstrar que, apesar das dores na alma, ainda quer caminhar e ver se o caminho tem fim e como será esse fim…é enfrentar os próprios fantasmas, é abrir os baús de ossos que guardamos nos porões de nossas memórias e escapar da sequidão desértica que estávamos experimentando…repito: desnecessariamente. E explico porque é desnecessário: você não mudará um milímetro da realidade com sua autossabotagem e seus sofrimentos e dores. Ninguém ouvirá seus lamentos e seu choro nas madrugadas frias da desesperança em que a única companhia é o cobertor inútil da autoflagelação e do autossacrifício. Desnecessário seu sofrimento. O mundo e nem as pessoas mudarão por conta do seu autoabandono. Necessário é que tenha coragem, agora, do jeito em que se encontra, sentir-se como merecedor de amor e de perdão. Esse será seu primeiro e decisivo passo. Faça isso com coragem e me conte os resultados! (Aluísio Alves: Doutor em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico, Constelador Familiar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *