HONRAR OS PAIS E ANCESTRAIS E LIVRAR-SE DE DESTINOS PESADOS

Honrar os pais é diferente de assumir destinos difíceis que eles eventualmente trazem em suas histórias de vida.

Por conta do amor cego e infantil que, muitas vezes, toma conta da pessoa, passa-se a ter um entendimento equivocado no qual confunde-se a atitude de honrar os pais e antepassados com a obrigação inconsciente de carregar ou repetir a história dessas pessoas tão importantes para nossa existência.

Dar um lugar especial no coração aos pais e ancestrais porque foi através deles que a vida chegou até nós é libertador, trata e cura integralmente a alma que faz esse movimento, porém, os filhos não precisam seguir com os pesados fardos de destinos ruins que os mais antigos da família vivenciaram. Isso acontece, é importante que se entenda, provocado por movimentos internos que não são percebidos pela consciência, mas, quando a pessoa, por meio de um tratamento profundo igual é a Constelação Familiar, isso vem à superfície e, quando isso acontece, a pessoa entra no caminho da solução positiva, da cura de sua alma.

Ao honrar e agradecer sinceramente os pais e ancestrais, a pessoa corta a linha de transmissão dos destinos pesados para seus descendentes, livrando os novos do sistema familiar dos efeitos nocivos de histórias de vida muito sofridas.

Quando me refiro a destinos pesados, poderia dar alguns exemplos do que seja isso:

a) doenças que se repetem geração após geração;
b) escassez de dinheiro e condições básicas de vida material;
c) relações amorosas doentias e tóxicas;
d) crimes cometidos pelos mais velhos e que são repetidos por descendentes;
e) vida profissional cheia de problemas e falta de foco na profissão;
f) perda de bens materiais na fase madura da vida;
g) ansiedade, angústia, depressão e falta de vontade de viver seguida por suicídio;
h) vícios diversos que tomam conta da vida de pessoas da mesma família em gerações sucessivas.

São somente alguns exemplos, mas eles podem ser sentidos combinados ou misturados de forma quase imperceptível por quem é capturado por esses destinos pesados.

A boa notícia é que existe boa solução e cura, mas é preciso buscar e abrir o coração e, em parceria com quem consegue aplicar as ferramentas adequadas para o tratamento, colocar energia e esforço para escapar da onda de destinos pesados que podem vir dos pais ou antepassados. É possível viver uma vida mais leve, livre e mais feliz! (Aluísio Alves: Doutor em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico e Constelador Familiar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *