A ARTE DE DIRIGIR A PRÓPRIA VIDA

Dirigir a própria vida é uma bênção para si e uma ajuda para o mundo inteiro.

É uma bênção para a pessoa porque conquista um nível elevado de autonomia e de autorresponsabilidade. As multidões vivem conduzidas por muitos falsos líderes, por manipuladores ou exploradores que lhes vendem muito caro a falsa sensação de liberdade; a pessoa que dirige a própria vida usa todos seus talentos, sua capacidade de analisar, enxergar as várias opções e os riscos das suas decisões, porém, conquista a grande vitória que é a liberdade.

Quando alguém dirige a própria vida, deixa, de ser um peso para as demais pessoas de boa-vontade, para a família, para os amigos, para a empresa, enfim, deixa de exigir que o mundo a carregue nas costas. Terrível destino é o das pessoas que, sem necessidade, são carregadas pelos outros porque, nesse caso, não desfrutam de nenhuma liberdade; sua dependência as torna escravas porque nem sequer podem escolher para onde ir e o que fazer.

Aprendi, desde muito cedo, a olhar para as pessoas com respeito às suas dores e perceber suas qualidades, seus talentos e sua imensa capacidade de transformar as próprias vidas. Aprendi também que nem todas as pessoas se veem dessa maneira. Aprendi, ainda, que muitos fogem da responsabilidade e culpam aqueles que tentam lhes despertar do seu sono e da sua ilusão. Já vi muita gente presa às doenças, ao comodismo, aos medicamentos, às desculpas e a outros fatores que lhes mantém distante da liberdade pessoal, se revoltar contra o bom-senso vindo de Mestres, de Conselheiros e de Mentores porque esses exigiam dessas pessoas que aprendessem a arte de dirigir as próprias vidas. Via de regra, os que não são livres mental, emocional e espiritualmente tem o vício de culpar os outros, as circunstâncias, a vida e Deus por seus problemas. Não querem fazer esforço e culpam tudo e todos pela história que escrevem a cada dia pela teimosia, raiva e atitude infantil.

Cada ser humano é um oceano de possibilidades, força, capacidades maravilhosas, mas, para perceber isso, cada pessoa terá que se esforçar. Autoconhecimento é esforço e nem todos querem fazer alguma coisa.

Cada pessoa vem de uma linhagem incrível de seres humanos com qualidades e imperfeições que atravessou a barreira do tempo desde que saíram da fonte criadora e trouxeram o gérmen da vida até o presente. Isso exigiu muita renúncia, enfrentamentos de dificuldades de toda ordem, portanto, fazer esforço foi o que garantiu aos ancestrais a preservação da vida e repassá-la amorosamente adiante. Quais seriam os motivos que levam alguém, no presente, a se esquivar da maravilhosa arte de dirigir a própria vida?

Liberte-se dos pensamentos pequenos e do sentimento de autopiedade. Você é maior se for mais humilde, baixar sua cabeça e estender as mãos para receber o apoio essencial que lhe permitirá saltar para uma realidade na qual a sua maior tarefa na existência é dirigir sua própria vida com amor, respeito aos pais e aos que Servem a humanidade com ferramentas que tratam a alma, o corpo e o espírito. (Aluísio Alves: Dr. em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico e Constelador Familiar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *