QUANDO O MELHOR NÃO É SUFICIENTE

Tomar a vida é dizer sim à saúde, ao amor e à prosperidade.

É um movimento de alma que permite se desembaraçar dos cordões invisíveis que amarram os pés, confunde os pensamentos e adoecem os sentimentos. Para fazer esse movimento essencial, é preciso ampliar a consciência para perceber as dinâmicas inconscientes que estão ocultas em nossas memórias e em nossas maneiras de olhar o mundo das relações, a começar pela família de origem.

Observemos que nossos pais deram o melhor que puderam, porém, nem sempre esse melhor é suficiente na nossa interpretação. De forma também inconsciente exigimos internamente muito do que nossos pais não conseguem nos dar uma vez que já nos forneceram o canal para a vida chegar até nós, porém, isso parece ser insuficiente. Vejamos também, nós que somos pais, que mesmo tendo dado o nosso melhor, em alguns momentos, percebemos que os filhos parecem não estar satisfeitos conosco, querem mais.

Portanto, quando o melhor que recebemos ou entregamos não é suficiente, algo começa a diminuir ou impedir o livre fluxo da saúde, do amor e da prosperidade. Quanta gente sofre por ficar cobrando dos pais, dos outros, do mundo e de Deus sem, entretanto, se dar conta de que já recebeu o melhor. Quando o melhor não é suficiente, está existindo dentro do que reclama uma recusa, um não à vida e isso traz pesos concretos para quem tem essa postura inconscientemente inadequada.

Nem sempre com uma pequena reflexão como esta ou algum esforço de pensamento e intenção se consegue remover as barreiras à autorrealização porque se trata de algo enraizado no psiquismo, dificilmente isso vem à tona, à consciência individual, necessitando, claramente, de ajuda de quem conhece o caminho para transpor esse obstáculo na alma.

Também nem sempre se ultrapassa esse impedimento interno apenas por falar nesse tema ou descrever o processo oculto que se desenrola na mente. No máximo, a pessoa interessada percebe que há algo para ser olhado, porém, não sabe como realizar esse salto libertador.

Quando o melhor não é suficiente, a vida fica apertada, estreita e sem perspectiva. Dizer sim à vida é receber com gratidão o que os pais puderam dar. Foi o que estava ao alcance deles. Ficar preso à reinvindicação diante dos pais é recusar todo o mais que a Vida tem para oferecer gratuitamente.

Quer a saúde da alma, do corpo e do espírito? Tome com alegria o que os pais entregaram. Quer o amor fluindo em sua vida? Pare de cobrar e exigir mais do que os pais podem ou puderam dar. Quer prosperidade plena? Receba tudo, sem recusar nada do que vem dos pais e dos antepassados, sem filtrar nada, apenas agradecendo porque eles deram o melhor de si e isso era tudo o que podiam dar.

Não force a vida, isso é desrespeitar a força maior que conduz todos os movimentos da existência, os que você enxerga agora e os que nem imagina que aconteçam dentro e fora, afinal, tomar a vida é dizer sim à saúde, ao amor e à prosperidade. (Aluísio Alves: Doutor em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico e Constelador Familiar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *