DECIFRANDO A LINGUAGEM DA ALMA

A falta de atenção às necessidades da alma tem tudo a ver com a dificuldade de compreender sua linguagem.

Mergulhados no caos das atividades e do tempo que está cada vez mais curto para fazer ainda mais, nossos ouvidos ficam impedidos de compreender o que a essência tem a dizer e, pior, quando, com muito esforço, conseguimos parar para dar atenção ao mundo interno, é como se estivéssemos tentando decifrar um estrangeiro falando uma língua totalmente desconhecida para nós.

Fica claro que somente podemos prestar atenção à alma se, antes, aprendermos a decifrar sua linguagem. E precisamos também escapar da armadilha de tentar “tirar um tempo” para ouvir a alma, afinal, ela fala o tempo todo e, portanto, deveríamos escutá-la continuamente… mas, criamos um sistema de vida em que vivemos apartados da nossa essência. Sem ouvir sua voz e atender às suas necessidades, adoecemos no corpo e nas emoções, comprometendo severamente nossos relacionamentos, nossa profissão e nossa alegria de estar no mundo.

Para decifrar a linguagem da alma é preciso atitude de aprendiz atento, humilde e que aceita a correção e a orientação do seu mestre. Ouvir é inclinar-se mansamente para permitir que a mensagem seja recebida e colocada em prática. A alma fala com uma linguagem simbólica, emitindo sinais sutis e, em outros momentos, grandiosos sinais, porém, se não estivermos com disposição para captar, tudo será ignorado e continuaremos presos num cotidiano pobre cuja finalidade fica limitada somente a fazer, fazer e fazer… tornamo-nos seres mecânicos e a consciência fica estacionada numa estreita faixa de percepção.

Por essas razões é que a alma, caso não se sinta ouvida, usa de formas mais duras para despertar os que a ignoram: perdas de pessoas queridas, perdas de posições profissionais, adoecimentos cujas causas não são compreendidas pelas medicina convencional, engessamento do fluxo de prosperidade material e emocional, solidão espiritual e falta de vontade para viver… são apenas alguns exemplos porque a alma, muitas vezes, faz combinações desses fatos ou usa, ainda, outras maneiras muito chocantes para nos acordar da nossa anestesia e da falta de disposição para ouvir o mundo interior.

A primeira tarefa para quem quer viver uma vida plena de significados e propósito é aprender a linguagem da alma porque, ao contrário do que se pensa no mundo corrente, a pessoa não tem uma alma, não dispõe de uma alma como se fosse uma propriedade que dela possa fazer o uso que desejar; é bem o contrário disso: devemos nos colocar a serviço da alma porque ela contém a orientação segura e os segredos da existência humana, portanto, é atitude sábia decifrar sua linguagem para, em seguida, alinhar os pensamentos e atitudes com os conteúdos do mundo interno e viver dias de prosperidade integral. (Aluísio Alves: Doutor em Educação Médica, Psicanalista, Terapeuta Sistêmico e Constelador Familiar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *