O MOVIMENTO DA CURA PARA QUEM A BUSCA COM AMOR

A melhor maneira para se buscar a cura é com uma postura amorosa.

Comparo a relação do buscador com o agente de cura ao que acontece quando alguém sente dor de cabeça e se dirige a uma farmácia. A pessoa pede e o atendente lhe entrega o medicamento. A função do atendente termina com esse ato de entregar o medicamento. A partir daí, quem sente a dor pode decidir guardar o analgésico, jogá-lo fora ou tomá-lo. Mesmo que o tome, pode ser que os sintomas não desapareçam… nesse caso, o que, de fato pode estar acontecendo?

Neste breve estudo quero despertar sua percepção para o movimento de cura para quem a busca com amor, mas, antes, vamos entender o que é buscar a cura com amor. Por quê é importante compreender isso? Voltando ao exemplo de quem vai a uma farmácia por conta de algum incômodo, o que está em jogo é a postura interna, os pensamentos e sentimentos que estão impulsionando a pessoa a comprar o medicamento.

Alguns podem apenas querer se livrar daquilo que os incomodam, portanto, adotam posturas e atitudes de extirpar ou mascarar o sintoma, sem nenhum interesse em saber o que está por trás da doença ou incômodo; outros podem, após comprar o medicamento, e, devido a um interesse secreto em manter a doença, guardar o medicamento. No fundo, temem que possam ser curados e, a partir daí, tenham que enfrentar a vida real com todas suas exigências e dificuldades. Assim, a doença ou a dor para esses, são estratégias para não tomarem nas mãos as rédeas da própria vida, autorresponsabilidade; outra postura é de autopunição, castigarem-se como se quisessem uma forma de aplacar alguma ira devido a sentimentos profundos de culpa por atos cometidos contra si ou contra outras pessoas, portanto, agem como se jogassem o medicamento fora. Com esse ato, sem que o saibam, estão desrespeitando os agentes de cura visíveis e, sobretudo, os invisíveis que atuam por meio dos mestres que a Providência coloca neste mundo.

Voltando ao tema central da nossa reflexão, o movimento de cura para quem a busca com amor é sempre no sentido de libertar a pessoa do que, verdadeiramente, a separa da felicidade, da autorrealização e de uma consciência mais ampla a respeito de si e de tudo que a cerca, da linhagem ancestral que lhe deu origem e da complexa teia da vida que a sustenta em seu cotidiano.

Buscar com amor é ser suave consigo mesmo, com um olhar respeitoso para a doença ou para os sintomas porque eles estão a serviço de algo muito maior.
Ouvi de uma médica que teve que enfrentar uma gravíssima doença que a enfermidade a curou, esta profissional, uma amiga e de consciência muito sensível, entendeu durante o processo de tratamento que em sua alma havia algo ainda muito mais valioso a ser curado, portanto, ao buscar com amor, além de ter sido curada, encontrou um novo sentido para sua vida que, claro, continua sendo um campo com muitos desafios e provas, mas aquela médica se melhorou extraordinariamente como pessoa, mãe e profissional. Isso é buscar a cura com o amor, com uma postura que permita conquistar algo que, muitas vezes, é maior do que a própria solução que se busca. (Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *