DESAFIOS DA MULTIFOCALIDADE DOS TEMPOS ATUAIS

Querer se livrar de tudo o que incomoda a todo custo é a marca dos tempos atuais.

Esta era que vivemos é caracterizada pela movimentação rápida e pelo aligeiramento de todas as coisas, pelo menos, com esforços para se conseguir isso. Tudo tem que ser rápido, como se algumas questões não precisassem de um olhar mais abrangente. E a dificuldade mora nesse ponto porque vivemos em mundo multifocal, como um caleidoscópio girando com suas variadas cores.
Portanto, existem desafios nessa multifocalidade dos tempos atuais.

Por conta disso, o sofrimento tem sido uma mochila pesada da qual poucos conseguem se livrar ou reduzir a carga.

É preciso buscar uma boa solução, cuidando para que ao podar a planta não lhe tire a vida, para que, depois de dar banho no bebê, não o “jogue fora junto com a água suja”, é preciso alguns cuidados quando se trata da essência do ser humano, que é complexa, sensível e passível de muitas consequências quando não dispensamos a ela uma atenção especial.

A boa solução ou a boa terapia é aquela que faz a diferença para o buscador. Muitas vezes, quem procura um tratamento demora a se dar conta de que o problema que enfrenta é, estranhamente, a fonte de onde pode brotar as verdadeiras soluções de que precisa. Nem sempre se livrar de uma doença em determinado momento vai trazer o crescimento integral do buscador.
Progresso, conforto e segurança são as necessidades do ser humano quando visto como uma entidade transcendente, ou seja, que é alguém mais do que apenas o corpo ou o seu psiquismo. Sua natureza toca e abrange mundos muitos sutis.

A partir de uma narrativa caótica, o agente de cura pode perceber qual é o princípio que permite buscar cura e solução. Agente de cura que não tem essa percepção ajuda de forma muito rasa àqueles que o buscam.

A vida não é didática. Tenho repetido isso e vale a pena continuar falando até que isso possa tocar o coração de mais pessoas. Quero dizer com isso que as coisas, o fluxo da vida não segue nossas vontades ou nossos planejamentos registrados em nossos cadernos, agendas ou meios eletrônicos. A vida é autônoma e não somos nós que a possuímos, ao contrário, é a vida que possui a cada um de nós.

Pense, portanto, em como está seu nível de tolerância com o tempo das coisas acontecerem e analise o que está disposto a fazer para que a cura e a boa solução venham e encontrem uma pessoa disposta a se esforçar e pagar o preço que os bons resultados exigem. (Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *