QUAL É O SEU LUGAR?

Era uma mulher saudável, inteligente e bem sucedida profissionalmente, mas, estranhamente, se sentia cansada e sem nenhuma vontade de viver. Procurava fazer tudo o que tinha que ser feito, cumprir suas obrigações para correr para sua casa e se isolar, totalmente sem nenhum interesse que não fosse ficar quieta até que recomeçasse a sua pesada rotina de trabalho. Aconteceu algo que salvou sua vida que estava sendo conduzida pelo tédio e pelo completo desinteresse em cuidar de si mesma, já entrara num autoabandono sem nenhuma razão aparente. Procurara os melhores médicos de sua cidade, estava tomando medicamentos, mas, a sensação de mal estar só aumentava. Pensara, inclusive, em se matar, em dar um fim à própria vida cujo sentido já teria perdido e pensava repetidamente que isso era incontornável, sem solução. Buscara também o acompanhamento psicológico com uma renomada psicóloga que, em uma tarde, durante sua sessão, lhe perguntou: qual é o seu lugar na vida? Um choro compulsivo irrompeu, levando muito tempo para terminar, mas, a mulher, olhando para o chão disse: “Não sei qual é o meu lugar na vida”. Estou perdida.” Esta história me foi contada pela própria pessoa que buscou um atendimento individual sugerido pela sua psicóloga.

Após um tratamento de curto prazo, ficou muito claro para a cliente que para ela descobrir qual era o seu lugar na vida, precisaria, antes de tudo, tomar o seu lugar na sua família de origem. Sendo de uma família de trabalhadores, viu-se na necessidade de assumir muitas responsabilidades desde a infância, sem perceber, ocupava um lugar que não lhe cabia, não teve a oportunidade de ser pequena, não brincava, não tinha tempo para viver a infância e isso a fez sentir-se muito importante e que seu lugar era o de gente grande…
resumindo, estivera fora do seu lugar na família desde que era uma criança. A vida se tornara muito séria e pesada para ela muito cedo. Sentia-se mais importante e maior do que seus pais e queria cuidar de todos…inclusive, de irmãos mais velhos. Estava fora do seu lugar na família e quem fica distante da sua posição no sistema familiar, reproduz esse deslocamento na sua vida, em geral.

Curada e psicologicamente vivendo no seu lugar, aquela inteligente mulher recebeu alta médica e da sua psicóloga. Conquistou uma vida mais leve, a alegria passou a ser uma companheira mais presente. Ainda faltam algumas conquistas, mas, já avançou muito. Sua vida profissional se tornou mais prazerosa. Já tem viagem agendada, quer conhecer novos lugares. Sua vida amorosa, agora, desabrochou e seu coração está disponível para o relacionamento. Por que tudo isso mudou? Porque somente encontramos nosso lugar na vida quando tomamos com respeito, reverência aos pais e gratidão, o lugar que nos cabe na família biológica.

E você, já encontrou o seu lugar?
(Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *