OS PERIGOS DE TENTAR SER O QUE NÃO É

– “Quem é você?”
– “Sou filho da minha mãe e do meu pai”.
Essa era a maneira como brincavam as pessoas da região onde nasci ,quando tinham suas opiniões questionadas durante a infância e mesmo entre jovens e adultos. De toda maneira, mesmo sendo de forma divertida, a resposta já tem o mais importante no processo de autoconhecimento, afinal, somos filhos da nossa mãe e do nosso pai e isso significa muito. É tão rica essa realidade que o quanto mais aprofundar os sentidos de ser filho daquele homem e daquela mulher e não de outras pessoas, mais descobriremos a respeito de nós mesmos. Já tinha pensado nisso?

O que, aparentemente, pode induzir a uma visão simplificadora é, na realidade, algo que se abre para a grandeza do autoconhecimento e do nosso estar neste Planeta porque, para cada um de nós, concordando ou não, tudo aqui começou para nós com nosso pai e nossa mãe.

Como percebe, estou demonstrando que o tão falado autoconhecimento pode ser aprofundado se você e eu declararmos internamente ou para quem quer que seja que “sou filho da minha mãe e do meu pai” porque isso implica em ancestralidade, em raízes que se estendem pela vastidão do passado e que poderá revelar muito do que somos e do que podemos ser, das nossas potencialidades que ficam adormecidas e das nossas maiores possibilidades de viver vidas significativas e vibrantes, cheia de alegria e plenas de prosperidade em todos os sentidos: material, mental, emocional, social e espiritual.

Isso é tão poderoso que pode salvar as pessoas dos perigos de tentar ser o que não são. Você sabia que é perigoso tentar ser o que não é? Por exemplo, tentar criar uma imagem que não condiz com a realidade dos fatos sobre si pode atrair o que não gostaria sobre a própria vida e também pode representar uma negação da origem da pessoa, incluindo pais e antepassados. Resumindo: os perigos de tentar ser o que não é são altamente nocivos e afastam a pessoa da oportunidade de conhecer sua essência e de elaborar sua história que, inevitavelmente, passam pelos seus pais, sejam eles o que forem, tenham feito eles o que fizeram, nada disso importa, recusar o que vem dos pais é sempre desafiar a força que faz com que tudo aconteça na existência.

É perigoso, por exemplo, fingir que está feliz o tempo todo porque todos nós temos nossos altos e baixos na vida. O sábio Osho escreveu algo que vem ao encontro disso: “E todos estão andando com uma máscara que está sorrindo, com um ar feliz e, assim, todos vivem enganando todo mundo. Você também usa uma máscara para que os outros pensem que você é mais feliz do que eles. E você acha que os outros são mais felizes do que você”.

Os perigos de tentar ser o que não é podem ser completamente isolados da sua vida se você olhar com gratidão para seus pais biológicos e afirmar com amor e alegria “sou filho do meu pai e da minha mãe”. Essa atitude tem um valor que jamais poderá ser pago ou retribuído, é algo que ultrapassa todos os níveis da compreensão intelectual… é coisa que pertence aos reinos da alma e do espírito. (Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *