O MUITO QUE A TERAPIA SISTÊMICA PODE FAZER PELOS HOMENS

Quando um homem está desconectado da sua linhagem masculina, ou seja, sua família de origem tanto do lado materno quanto paterno, ou dos dois lados, ele fica inconscientemente enfraquecido e o contrário é verdadeiro, a conexão com a linhagem dos homens, fortalece a vida do descendente e quero deixar claro que quando me refiro aos homens não há nenhuma restrição quanto à orientação sexual deste homem porque independentemente da orientação, todos os homens estão de uma maneira muito sutil, ligados às linhagens das suas origens.

Quando atendo homens que buscam se compreender melhor, viver com mais qualidade de vida, ter relacionamentos mais significativos, tenho observado que eles se abrem verdadeiramente com muita sinceridade à terapia sistêmica e conseguem rapidamente três resultados extraordinários pela força que trazem para si próprios:

1) Na sua capacidade de expressar afeto: nós homens, por conta da cultura ocidental, sobretudo, temos pouco treinamento ou quase nenhum e muita dificuldade de expressar afeto e quando o fazemos, na maioria das vezes, o fazemos de forma bastante equivocada;
2) Eles ganham mais força para serem mais prósperos materialmente. São homens que se fortalecem como guerreiros para adquirir e construir mais resultados materiais e financeiros;
3) Melhoram o entendimento porque passam a compreender mais profundamente a própria sexualidade e, quando isso acontece, com a conexão forte com a linhagem masculina do seu sistema familiar, com certeza, os homens se livram de neuroses e dificuldades que também enfrentam nesta área. Por conta da cultura ocidental, nós homens sofremos calados.

A conexão com a linhagem dos homens fortalece a vida do descendente na sua capacidade de expressar afeto nas relações, na sua força para ser mais próspero financeiramente e na carreira profissional, no entendimento e vivência plena da sua sexualidade. (Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *