EQUILÍBRIO ENTRE O DAR E O RECEBER

O sentimento particular de injustiça enfraquece a vontade de participar do jogo da vida.

Basta olhar para o relacionamento amoroso entre parceiros, para amizades ou para a relação empresa-colaborador.

Quando um dos parceiros de namoro ou casamento sente que não está recebendo a contrapartida do seu investimento afetivo e de sua dedicação à vida a dois, algo internamente se altera e, mesmo que silenciosamente, aquele relacionamento começa a se deteriorar e, se não for cuidado, terminará, mesmo havendo amor porque não é só o amor que sustenta uma relação.

Entre amigos acontece algo semelhante: se não existe o equilíbrio entre a dedicação de cada parte. haverá distanciamento e a amizade estará condenada a ficar no passado porque, mesmo que as pessoas não falem sobre isso, todos querem e exigem que o investimento no relacionamento seja compensado de forma equivalente e justa.

O ambiente do trabalho nas empresas grandes ou pequenas é permeado de insatisfações que vão muito além de salários: quando o colaborador que se entrega, dá o máximo à organização e não tem o reconhecimento dos líderes ou proprietários, além da motivação cair vertiginosamente, um sentimento secreto de revolta acaba transformando o profissional em uma pessoa pouco participativa e até desconectada da empresa porque não se sente valorizado como ser humano.

Em todos os três exemplos está presente o desrespeito ao equilíbrio que deve haver entre o dar e o receber.

Entretanto, é preciso observar que em todas as situações citadas está algo surpreendente: existe desequilíbrio também quando quem recebe muito, em excesso seja na empresa, na amizade e, principalmente, na vida amorosa, porque ao receber além do que conseguirá retribuir, acabará por se sentir impotente para equilibrar a balança do relacionamento e se afastará com um sentimento muito ruim e que, na maioria das vezes, nem tem consciência disso. . (Aluísio Alves: Psicanalista, Doutor em Educação Médica, Constelador Sistêmico, Executive Coach, Treinador Comportamental).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *