ADMINISTRAÇÃO DAS EMOÇÕES E DO PODER DAS PALAVRAS

Quando se conquista o controle da vida emocional e se compreende o poder das palavras, tudo se transforma.

O estímulo que predomina é o da inconsequência a respeito do que se sente e do que se fala; isso significa, na prática, a derrubada dos princípios que norteiam o autocontrole e, ao mesmo tempo, desconsiderar os efeitos do que se fala tanto para o falante quanto para o ouvinte. Esse tipo de distorção é extremamente nociva e seus efeitos podem repercutir por muito tempo na própria pessoa e nas outras que conviveram ou convivem com ela.

A administração da vida emocional ou o autodomínio tem raízes mais profundas do que imaginamos porque podem estar diretamente ligadas a ancestrais e suas histórias de vida. Isso se dá de modo inconsciente e nem sempre é perceptível à luz da ciência convencional, exige um olhar mais preparado para ver os subterrâneos da alma para, a partir dessa nova consciência, promover o tratamento e a solução. Para o tratamento ser eficaz é preciso ir muito além do simples diagnóstico, saber mergulhar na mente profunda das memórias para promover as boas soluções. É algo com procedimentos e técnicas, porém, enriquecidos com a visão transcendental, capaz de ir às verdadeiras origens junto com o interessado e de lá retornar com ele em segurança e com harmonia plena.

O controle emocional exige muito mais do que simples intenções ou pensamentos positivos, exige esforço, humildade, persistência e coragem para remover a falsa ideia de que a liberdade não precisa de regras e de que as palavras não são importantes ou que não geram nada como consequências.

A primeira pessoa a ser prejudicada pelo descontrole emocional é o próprio ser que assim age porque enfrenta problemas nas relações interpessoais na família, com amigos, nas relações amorosas, na vida profissional, nos negócios e, assim, fica isolado, sozinho, sob todos os riscos de adoecer. As palavras tem imenso poder de prejudicar a saúde de quem fala porque criam com suas vibrações ambientes internos que atraem toda espécie de negatividade e, claro, em segundo lugar, é preciso entender que os outros evitam ficar perto de quem só pronuncia palavras carregadas de energia destrutiva, depreciativa ou densa.

O contrário é verdadeiro: a pessoa que se esforça para administrar as emoções e ter autocontrole, é bem aceita, é mais compreendida porque os demais percebem seu empenho em se aperfeiçoar; isso cria uma atmosfera muito favorável porque ao se esforçar para ter autodomínio, recebe apoio e reconhecimento, portanto, sente-se mais motivada para continuar seu aperfeiçoamento que é uma batalha diária.

É preciso reconhecer que as pessoas que usam um vocabulário positivo, ainda que seja simples e sem muita riqueza linguística, transmitem uma personalidade mais equilibrada, forte e realizadora; atraem bons acontecimentos e boas pessoas para seus relacionamentos de amizade, amorosos ou de negócios.

Administração das emoções e do poder das palavras são habilidades gêmeas, essenciais, em que o fortalecimento de uma empodera a outra o tempo todo.
Embora não haja receita pronta para se conquistar o autodomínio emocional e o uso inteligente das palavras, olhar para dentro e se conhecer continuamente é uma prática recomendável. A observação de si para perceber qual é o vocabulário que usa no dia a dia, certamente revelará o que precisa ser mudado, porém, sendo amoroso consigo ao mesmo tempo em que exige de si um padrão mais elevado porque as palavras tem poder para gerar a vida e a morte e, claro, a escolha deve ser feita com muita consciência.

O que se sabe é que quando se conquista o controle da vida emocional e se compreende o poder das palavras, tudo se transforma. (Aluísio Alves: Psicanalista, Terapeuta Sistêmico, Pós-Doutorando em Educação, Doutor em Educação Médica, Hipnose Clínica, Mentoria de Líderes e Equipes).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *