ASPECTOS ESTRANHOS E ABUSIVOS NO RELACIONAMENTO DO CASAL

Primeiramente, é preciso dizer que qualquer tipo de relacionamento abusivo já é algo estranho e que não deveria existir, mas, infelizmente, é uma triste realidade.

Depois, é preciso compreender que, num relacionamento a dois, ambos podem cometer ou receber abusos e isso se dá sempre com muitas consequências psicológicas para quem sofre e, também quem os comete, porque, mesmo que não pareça, os atos abusivos só geram perdas para a vida do casal.

Outro aspecto estranho, mas, absolutamente real é que, todo relacionamento abusivo na vida do casal só acontece porque tem a concordância ou permissão do outro. Mesmo que quem sofra abusos justifique com algo lógico, continua a permitir a ação ou comportamento de abusos físicos ou psicológicos do parceiro ou parceira.

É conhecido no meio terapêutico uma quantidade enorme de justificativas, sendo a mais comum a que aponta a bebida ou algum outro tipo de droga ou até distúrbios de ordem mental ou emocional para esse comportamento que deve ser rechaçado e jamais aceito ou acobertado. Nada justifica o ataque à dignidade humana; e cada pessoa, por si mesma, deverá zelar por isso, visto que a maior parte dos abusos acontece no ambiente privado.

Deve ser visto como estranho e indicativo de atitude abusiva no relacionamento a dois quando um dos parceiros rebaixa ou tenta diminuir a imagem do outro ou suas capacidades e o que faz profissionalmente e nos comportamentos cotidianos. Estranho, de qualquer forma, é a aceitação passiva de quem é tratado de forma pejorativa, negativa e que destrói a autoestima.

Qualquer tipo de controle sobre o outro é abusivo e se constitui num estranho comportamento desnecessário na vida a dois, que exige ampla confiança e segurança de um em relação ao outro. Quase sempre a tentativa ou o controle efetivo da vida do outro vem acompanhado de esforços para alienar ou isolar o parceiro ou parceiro do contato com familiares e amigos. São aspectos estranhos e devem ser olhados com atenção.

Neste estranho movimento de sufocar o outro para fazê-lo ficar submetido a uma espécie de ditadura que usa o medo e a suspeita como instrumentos de intimidação, o ciúme é um componente muito presente e é, por si mesmo, um comportamento abusivo e desequilibrado.

Esses aspectos estranhos do relacionamento abusivo na vida do casal incluem todas as configurações de relacionamentos amorosos e todas as orientações sexuais., casais héteros e homoafetivos sofrem igualmente. Relacionamento abusivo é um mal silencioso cujas raízes podem vir da história familiar dos parceiros e, lamentavelmente, podem continuar passando de uma geração para outra e, ainda pior, podem ser naturalizadas tanto por quem impõe os abusos como por quem os sofre. “Ela é assim mesmo ou ele é assim mesmo” são frases muitos repetidas e que só confirmam que para haver relacionamento abusivo tem que haver, do outro lado, algum tipo de permissão.

Tenho atendido a casais que decidem olhar com seriedade e maturidade para seus relacionamentos e, quando, de verdade, resolvem ter uma vida centrada no respeito à dignidade do outro, uma grande transformação acontece porque, em muitos casos, o casal está cansado, a vida a dois adoecida e precisam, ambos, de profunda cura na alma. Isso faz bem para si, para as famílias de origem e para seus filhos e demais descendentes. Mas, isso funciona somente para casais que, apesar das dificuldades, querem conviver como gente grande e sem ilusões.

De acordo com Bert Hellinger, um dos meus Mestres ao longo da minha vida, “…existe também entre os seres humanos movimento para aproximar-se dos semelhantes,.. este movimento começa com o amor entre o homem e a mulher… Por intermédio do novo casal, essas famílias se aproximam e formam um clã, em cujas fronteiras reina a paz.”

Como se vê, a paz deve reinar na vida do casal e isso não exclui as lutas e dificuldades da vida real que todos enfrentam nesse aprendizado contínuo, porém, nenhum relacionamento a dois deve aceitar qualquer tipo de comportamento abusivo. Nenhum comportamento abusivo de qualquer parceiro deve ser tolerado porque significaria um se colocar como se fosse Inferior ao outro e, ao contrário, na vida do casal, é o equilíbrio e a igualdade entre o que se dá e o que se recebe que rege essa maravilhosa experiência de caminhar juntos com dignidade e respeito mútuo. Nem mesmo um pretenso ou imaginário amor deve servir de falsa justificativa para qualquer pessoa abrir mão da sua sagrada dignidade em nenhuma circunstância, principalmente, na vida a dois. (Aluísio Alves: Psicanalista, Terapeuta Sistêmico, Pós-Doutorando em Educação, Doutor em Educação Médica, Hipnose Clínica, Mentoria de Líderes e Equipes).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *